string(25) "noticias-artigos/leitura/"

Bullying e o início de seu ciclo

29/06/2011 21:00

O polêmico assunto a respeito do chamado “Bullying” é tratado e discutido já há certo tempo, contendo diversos métodos educacionais e de prevenção. O bullying é conhecido popularmente como um ato de violência, entretanto não há ainda uma lei específica na Constituição Federal a respeito do referido assunto. Deste modo, alguns estados brasileiros, representados por seus governantes, tomaram a iniciativa de criar leis estaduais para prevenir e combater as práticas de bullying, dentre eles estão os estados de Santa Catarina, Rio de Janeiro, Maranhão, Goiás, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul.
No entanto, quando se trata deste assunto dão importância, exclusivamente, às vítimas de tal ato esquecendo que nesse meio há também “o outro lado da moeda”, uma segunda vítima, de certa forma, esquecida: Os praticantes de bullying, denominados como “Bullies”. Estes também são vítimas, mas neste caso são vítimas da ausência de educação, cuidado e responsabilidade de seus pais, curadores ou tutores, uma vez que, os mesmos são responsáveis por atos praticados pelos referidos menores de idade, conforme denomina o art. 932 e 933 do Código Civil. Os aludidos bullies, antes de tudo, têm seus educadores, que muitas vezes tratam sua criação com um, completo, descaso. Neste sentido, com a ausência dos pais, ou maus exemplos destes, a criança torna-se uma criatura carente, necessitando chamar a atenção, outras vezes, torna-se agressiva e hostil, conseqüentemente, manifesta-se assim no ambiente escolar e em locais por onde passa.
A maior linha de pensamento enxerga o ponto de partida nas escolas com ações educativas e preventivas contra o bullying, quando na verdade tudo deveria iniciar-se no lar junto aos responsáveis, os quais deveriam ser ensinados e conscientizados da conseqüência que o descaso com a educação das crianças pode provocar. Os atuais bullies são os que sofreram ou sofrem devido à ausência da transmissão de princípios e valores de seus pais, momento em que os pequenos procuram em pontos errados suprir a atenção negada por aqueles, como a internet e seu supérfluo teor, ou programas de TV com conteúdos muitas vezes preconceituosos e racistas.
Deste modo, os meios de comunicação, tornam-se os educadores das crianças, fazendo com que estas se transformem em pessoas vazias, arrogantes e com sentimento de superioridade em relação a todos, induzindo-as a práticas de humilhações, intimidações e perseguições, o denominado bullying. Neste processo que se inicia entre quem humilha e o humilhado, este pode futuramente tornar-se bullie também, em decorrência da vergonha e constrangimento em que passa, fato que leva à vingança. Sendo assim, é nítido que o princípio deste aterrorizante ciclo inicia-se no lar, junto aos responsáveis ou a ausência destes.
*  A autora é acadêmica do 4º semestre do curso de Direito da Universidade Católica Dom Bosco – UCDB. Estagiária do escritório de advocacia Resina & Marcon Advogados Associados, site:
www.resinamarcon.com.br, email: amanda@resinamarcon.com.br.
Autor: Amanda da Costa Souza

Jane Resina

Amanda

Estagiários
C.V Blog Linkedin Twitter
voltar
© 2015 Resina&Marcon - Todos os direitos reservados. Design by Carol Borges